Pular para o conteúdo principal

Bumbleebee e a psicologia da mentira




SPOILER ALERT
Comentários aleatórios e cheios de spoilers sobre Bumblebee, que você pode ver online aqui no Telecine.
"Boa noite, amantes do Fusca de todo o Brasil" - Maurílio dos Anjos
O ano é 1987.
Bumblebee é um filme dos Transformers, com Transformers, mas sem Transformers no título. Por isso que é bom. Mas eu chorei no 2. De desgosto, claro.
Vamos lá fazer comentários aleatórios sobre Bumblebee.
A cena da menina, Charlie,  escovando os dentes ao som the Bigmouth Strikes Again e se cheirando pra ver se está fedida é o máximo hahahahahha
Runaway - Bon Jovi? A galera de Stranger Things e todo mundo que faz filme/série nos anos de 1980 parece que só conhece as mesmas músicas, bicho! Que tal pagar pra mim que descolo algo mais original? Me contratem, eu fazia discotecagem em festa da escola.
Essa vibe de nostalgia dos anos de 1980 pode até parecer repetitiva, mas como mexe com a minha memória afetiva, estou amando cada segundo disso. É como um Guerra nas Estrelas, só que com carros... fascinante!
O timing de parar de tocar Save a Prayer do Duran Duran bem no momento em que ela faz um strike com os barcos e descobre o "fusca amarelo" foi incrível!
Livro de autoajuda? Capacete florido pra mobilete? Sério? Mano do céu, que lixo de família, socorro! Me identifico. Infelizmente.
Você realmente dá um livro de autoajuda para a garota que ouve essas músicas e usa uma camiseta do Motörhead, claro. E daí o velhinho do ferro velho (tio Hank) dá o Fusca pra ela. Claro que ela mal sabia que, como diriam lá em Star Wars, era uma armadilha hahaha
É o máximo quando a Charlie fica treinando o Bee na praia como se ele fosse um bichinho de estimação, e ele também faz uns carinhos nela como se ela também fosse um hahaha
"Os humanos estão se multiplicando, por favor, deixe-me matá-los."
Jura que os humanos do exército acreditaram nuns carros-robôs chamados DECEPTICONS? A Humanidade precisa ser destruída mesmo hahahah O que me faz lembrar do Ultron, mas, bem, esse já é outro filme, de outra produtora, outra franquia, blá-blá-blá...


Tem hologramas ruins, que nem em Star Wars, mas essa também é outra franquia, de outro estúdio e tal, bem, voltando a Bumblebee...
"Música ajuda a se expressar." - Charlie

Quando ele ejeta a fita dos Smiths tocando Girlfriend in a coma, OMG!
Ejeta mais uma e escolhe um LP predileto do pai dela, que dizia que, ao ouvir aquela música específica, o carro se sentiria melhor. Homem sensível que entende bem de carros o falecido.
A cena da camisa ao som de Everybody wants to rule the world: Impagável. Ainda mais quando o menino perde a camisa. Se era a camisa predileta dele? Problema dele, quem mandou tirar só porque o interesse amoroso dele pediu? Perdeu!


Assustador mesmo foi quando o Bee, em pleno 1987, deu uma de Google e a Charlie falou em experimentos científicos com ele e ele começou a tocar uma música relacionada ao tema. Apavorante! Quase um momento digno de filme de terror moderno.
E a música motivacional? Socorroooo, mano, não era pro Bee ser amigo dela? kkk

Mas eu preciso compartilhar que, cara, o coitado, além de sofrer um downgrade pra Fusca, tem que usar música pra se comunicar, tadinho, cara, mas pelo menos a inteligência artificial dele é melhor que a do Google Ads.
Mas a perseguição policial com a música adequada? Não dirijo a 80 km/h? Muito massa, superando de longe, com isso, tenho que admitir,  qualquer momento de qualquer  filme de Velozes e Furiosos e inclusive do spin-off, embora eu tenha que confessar que não vi nenhum deles! Gostava muito do 6, na verdade, pois em noites de insônia, eu botava o filme pra passar na TV, e dormia rapidinho. História verdadeiramente verídica, rapaz!
Achei muito bom também o momento Hulk do Bee, em que ele destrói a casa toda da Charlie, algo muito criativo que jamais foi feito em nenhuma outra obra da sétima arte, claro.
Aí vêm todos aqueles momentos tristes em que tudo dá bem errado, que nem nos filmes da Disney, embora a gente saiba muito bem que vai dar tudo certo no final, porque é ficção com final feliz, mas a gente sofre mesmo assim, o que é uma mancada, porque cinema é pra ser apenas entretenimento, e não pra gente pensar e sofrer.
Mais adorável ainda é quando a família lixo duvida da própria filha porque, ah, o governo falou que ela é uma criminosa, então é verdade, né não? Aff.
Adoro  quando a Charlie usa da boa psicologia da mentira para fazer com que o irmão dela fique em casa enquanto ela vai salvar o Bee com o Memo, dizendo que confia nele. A família desse filme é tão perfeita que o pessoal que faz propaganda de margarina deveria estudá-lo para propósitos de adequação dos novos comerciais. 


E eu aprendi que armas elétricas são infinitamente mais eficazes do que desfibriladores. Que coisa, como podemos absorver informações úteis para o dia a dia com produções assim tão sublimes da sétima arte. 


E, claro, adoro também ser sempre lembrada de como "agentes do governo e da segurança"  não ligam a mínima para os civis no cumprimento de seus "deveres" para com "a pátria". É uma pena que esta piada não tenha graça, já que é muito próxima da realidade, o que talvez viria a qualificar o filme como um documentário. Hum...


Foi legal também aprender que metal alienígena, ao que parece, não enferruja. Muito informativo isso, e a indústria deveria investir na exploração de metal alienígena, em vez de usar esses metais porcarias que temos por aqui. E parece também que o ar de São Francisco seca as roupas rapidinho, então sempre que as minhas roupas estiverem demorando pra secar, vou levá-las pra lá. Muito prático isso. Que filme informativo, minha gente!


E não posso terminar sem dizer que, no final, ele faz upgrade pra um Camaro de novo, claro, claro! 
 
Veredito: Tem luta de robôs alienígenas, capotagens, vingança, explosões, conflitos internacionais, o de sempre, né?... e todo o resto que comentei acima e ainda muito mais.
Nota: 5 saltos ornamentais (5 de 5)

Uma clara referência de Steven Spielberg a ele mesmo
Ps.: Eu gostaria de agradecer ao papai do céu aos grandes nomes do transporte alternativo do Choque de Cultura pela inspiração para escrever esse texto.
Pps.: Nenhum animal foi ferido neste filme, visto que quando o Bumblebee sentou em cima do cachorro, obviamente aquilo era CGI. Assim espero...
Ppps.: E divirtam-se com a galera do Choque de Cultura tecendo seus nobres comentários sobre o filme também no vídeo abaixo.


Comentários

Popular

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

O Exterminador do Futuro - Destino Sombrio, uma bela repaginada em uma franquia querida

Neste ano vimos o retorno de várias franquias queridas (bem, ao menos queridas para os fãs delas, claro) muitos anos depois do último filme delas, como Rambo, Zumbilândia e Os 3 Infernais, mesmo depois daquele final épico. Então temos agora O Exterminador do Futuro - Destino Sombrio. Porém, enquanto  os outros são continuações diretas, mesmo que muitos anos depois, do último filme lançado, este novo longa  de O Exterminador do Futuro é uma sequência direta de O Exterminador do Futuro 2 - O julgamento final, e veio para provar um de vários fatos que fazem dessa franquia um sucesso: a presença de Linda Hamilton. 
Repaginando a história, o filme já começa com cenas digitalmente refeitas para conectar o segundo da franquia a este. E é simplesmente incrível nessa reconstrução, pois a gente fica se perguntando se eram cenas que não foram para o filme de 1991 afinal, mas com o avanço da tecnologia (ai, ai, ai, rs), não notamos isso até que alguém nos conte a real. 

E temos um trio girl powe…

Mario Kart Tour: o que esperar do clássico para mobile?

Com certeza os amantes de Nintendo já souberam da novidade para celular! A Nintendo, diferente de outras desenvolvedoras, muito dificilmente libera um de seus jogos para outra plataforma. Mas como uma boa mãe sempre olha por seus filhos, ela nos deu esse pequeno presente que é o Mario Kart tour!
Em Mario Kart, Mario e seus amigos disputam emocionantes corridas de Kart em paisagens inspiradas em cenários clássicos da franquia. A versão original possuía apenas karts, mas agora temos também motocicletas e algumas telas necessitam de paraquedas para maior interação. Não é apenas um jogo de corrida, mas intensamente competitivo, com caixas surpresa espalhadas pela tela que te dão itens exclusivos para ganhar vantagem, derrubar os inimigos e destruir amizades. Cada circuito possui quatro telas e a pontuação é somada ao longo delas.


Essa versão desse clássico da Nintendo é um tour pelas telas mais queridas e famosas das outras versões (principalmente os clássicos, como Mario Kart 64 e o novo M…