Com amor Van Gogh, o sonho impossível - um documentário imperdível para os amantes da terceira e da sétima arte


Se você, como eu, se apaixonou pelo filme Com amor Van Gogh [eu já falei dele aqui e a Cat, aqui], e/ou se você, como eu, é apaixonado(a) pelos trabalhos deste que hoje é reconhecido com um dos melhores pintores de todos os tempos, mas que em vida, além de fracassar em quatro profissões antes de começar a pintar, você que se emociona com as obras dele e sente o coração triste sabendo que em vida ele foi mais do que mal recebido, não só como artista, mas como ser humano, este documentário é imprescindível. Não se trata apenas de mais uma obra para explorar a desgraça de Van Gogh, mas sim, para celebrar sua arte e, por que não?, sua vida.

A produção artística de Van Gogh, em sua curta vida, e tendo ele começado a pintar aos 29 anos, é grande em número e em qualidade. Não tenho como não me remeter ao What if daquele que é, de longe, meu episódio predileto de Doctor Who: Vincent e o Doutor.

Neste documentário, acompanhamos o sonho de uma desconhecida diretora e animadora polonesa que "ousa"  criar um longa metragem totalmente pintado à mão. Sim, algo único na história do cinema! Dói saber das recusas, do pouco caso, do sofrimento para se realizar a obra, mas é necessário e importante, até mesmo para nos lembrarmos de que ainda hoje os artistas, não todos, mas muitos, a não serem que deem sorte de virar mainstream (embora alguns façam por merecer, nem todos conseguem) são em muito subestimados, e, sim, muitos morrem pobres, sozinhos e na sarjeta. 

O documentário é um convite que nos chama para lutar contra as adversidades e acreditarmos em nossos sonhos, sim, mas nos lembra a cada momento de todas as pedras no meio do caminho que temos que chutar e muitos sapos que temos que engolir para talvez, por sorte, chegarmos lá.

É um deleite ver como nasceram as cenas, como se formaram animadores de pintores, como este filme que é único em termos de ténica, e magnífico em termos de contação de história e ousado ao escolher o formato acadêmico para se adequar aos formatos do quadro do pintor e não o contrário, adaptar as obras dele ao padrão 16:9. Os sorrios nos rostos dos criadores, suas reações com a indicação ao Oscar (e, sim, embora eu tenha adorado Viva - A vida é uma festa, achei injusto Com amor, Van Gogh não ter ganho o merecido prêmio). Mas ganhou dinheiro, reconhecimento, um trabalho de anos e anos feito de coração, com a sensibilidade de artistas homenageando um magnífico artista. 




Seja você um amante da terceira ou da sétima arte ou de ambos, assista a esse documentário e não se levante antes dos fins dos créditos - spoiler alert! - tem cena pós créditos, e termina com a canção maravilhosa que também finaliza a obra que deu origem a esse documentário.

Nota: 5 pétalas de girassóis ao vento
Estreia prevista para 30 de janeiro de 2020.


Comentários