Pular para o conteúdo principal

Com amor Van Gogh, o sonho impossível - um documentário imperdível para os amantes da terceira e da sétima arte


Se você, como eu, se apaixonou pelo filme Com amor Van Gogh [eu já falei dele aqui e a Cat, aqui], e/ou se você, como eu, é apaixonado(a) pelos trabalhos deste que hoje é reconhecido com um dos melhores pintores de todos os tempos, mas que em vida, além de fracassar em quatro profissões antes de começar a pintar, você que se emociona com as obras dele e sente o coração triste sabendo que em vida ele foi mais do que mal recebido, não só como artista, mas como ser humano, este documentário é imprescindível. Não se trata apenas de mais uma obra para explorar a desgraça de Van Gogh, mas sim, para celebrar sua arte e, por que não?, sua vida.

A produção artística de Van Gogh, em sua curta vida, e tendo ele começado a pintar aos 29 anos, é grande em número e em qualidade. Não tenho como não me remeter ao What if daquele que é, de longe, meu episódio predileto de Doctor Who: Vincent e o Doutor.

Neste documentário, acompanhamos o sonho de uma desconhecida diretora e animadora polonesa que "ousa"  criar um longa metragem totalmente pintado à mão. Sim, algo único na história do cinema! Dói saber das recusas, do pouco caso, do sofrimento para se realizar a obra, mas é necessário e importante, até mesmo para nos lembrarmos de que ainda hoje os artistas, não todos, mas muitos, a não serem que deem sorte de virar mainstream (embora alguns façam por merecer, nem todos conseguem) são em muito subestimados, e, sim, muitos morrem pobres, sozinhos e na sarjeta. 

O documentário é um convite que nos chama para lutar contra as adversidades e acreditarmos em nossos sonhos, sim, mas nos lembra a cada momento de todas as pedras no meio do caminho que temos que chutar e muitos sapos que temos que engolir para talvez, por sorte, chegarmos lá.

É um deleite ver como nasceram as cenas, como se formaram animadores de pintores, como este filme que é único em termos de ténica, e magnífico em termos de contação de história e ousado ao escolher o formato acadêmico para se adequar aos formatos do quadro do pintor e não o contrário, adaptar as obras dele ao padrão 16:9. Os sorrios nos rostos dos criadores, suas reações com a indicação ao Oscar (e, sim, embora eu tenha adorado Viva - A vida é uma festa, achei injusto Com amor, Van Gogh não ter ganho o merecido prêmio). Mas ganhou dinheiro, reconhecimento, um trabalho de anos e anos feito de coração, com a sensibilidade de artistas homenageando um magnífico artista. 




Seja você um amante da terceira ou da sétima arte ou de ambos, assista a esse documentário e não se levante antes dos fins dos créditos - spoiler alert! - tem cena pós créditos, e termina com a canção maravilhosa que também finaliza a obra que deu origem a esse documentário.

Nota: 5 pétalas de girassóis ao vento
Estreia prevista para 30 de janeiro de 2020.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

O Exterminador do Futuro - Destino Sombrio, uma bela repaginada em uma franquia querida

Neste ano vimos o retorno de várias franquias queridas (bem, ao menos queridas para os fãs delas, claro) muitos anos depois do último filme delas, como Rambo, Zumbilândia e Os 3 Infernais, mesmo depois daquele final épico. Então temos agora O Exterminador do Futuro - Destino Sombrio. Porém, enquanto  os outros são continuações diretas, mesmo que muitos anos depois, do último filme lançado, este novo longa  de O Exterminador do Futuro é uma sequência direta de O Exterminador do Futuro 2 - O julgamento final, e veio para provar um de vários fatos que fazem dessa franquia um sucesso: a presença de Linda Hamilton. 
Repaginando a história, o filme já começa com cenas digitalmente refeitas para conectar o segundo da franquia a este. E é simplesmente incrível nessa reconstrução, pois a gente fica se perguntando se eram cenas que não foram para o filme de 1991 afinal, mas com o avanço da tecnologia (ai, ai, ai, rs), não notamos isso até que alguém nos conte a real. 

E temos um trio girl powe…

Mario Kart Tour: o que esperar do clássico para mobile?

Com certeza os amantes de Nintendo já souberam da novidade para celular! A Nintendo, diferente de outras desenvolvedoras, muito dificilmente libera um de seus jogos para outra plataforma. Mas como uma boa mãe sempre olha por seus filhos, ela nos deu esse pequeno presente que é o Mario Kart tour!
Em Mario Kart, Mario e seus amigos disputam emocionantes corridas de Kart em paisagens inspiradas em cenários clássicos da franquia. A versão original possuía apenas karts, mas agora temos também motocicletas e algumas telas necessitam de paraquedas para maior interação. Não é apenas um jogo de corrida, mas intensamente competitivo, com caixas surpresa espalhadas pela tela que te dão itens exclusivos para ganhar vantagem, derrubar os inimigos e destruir amizades. Cada circuito possui quatro telas e a pontuação é somada ao longo delas.


Essa versão desse clássico da Nintendo é um tour pelas telas mais queridas e famosas das outras versões (principalmente os clássicos, como Mario Kart 64 e o novo M…