Pular para o conteúdo principal

Psycho-pass: O cyberpunk de um futuro bem realista


Após muitas recomendações de amigos, resolvi dar uma chance ao anime Psycho-pass. Eu sempre gostei de animes policiais e com histórias profundas, como Death Note, mas a parte futurista e cyberpunk do anime não me chamou a atenção nem um pouco. Foi uma grande surpresa ter assistido à primeira e segunda temporadas tão rápido!

Em um futuro em queé possível medir o coeficiente criminal das pessoas por escâneres e definir quem é apto para convívio social e quem precisa de reabilitação, o sistema SYBIL mantém a paz em uma sociedade onde todos se sentem seguros. O sistema diz a todos quais são suas aptidões, fornece uma secretária pessoal para cuidar da casa e roupas adequadas. Ele é o pilar da nova civilização e, acreditando em sua perfeição, Akane Tsunemori escolhe trabalhar com a ASAP para manter o cumprimento das leis. Junto aos inspetores, pessoas cujo psycho-pass (medição de coeficiente criminal) é irrecuperável, têm a opção de se tornar milicianos e ajudar a manter a ordem na sociedade.

É comum que criminosos latentes, que são pessoas vistas como inadequadas para integrar a sociedade, comecem a cometer crimes violentos. Afinal, eles sempre controlaram seus impulsos para não serem julgados pelo SYBIL, mas nada os impedia, agora que serão descartados da sociedade.

A trama realmente se inicia quando assassinatos mais elaborados e bizarros começam a aparecer. Pessoas difíceis de rastrear e que não possuem nenhum pudor em seus crimes os cometem sem se arrepender, deixando claro que há um mentor por trás disso tudo. Porém, como Akane poderá julgar alguém cujo psycho-pass nunca é manchado por seus atos hediondos sem descumprir a lei da sociedade em que tanto acredita?

Eu não costumo gostar de histórias futuristas, mas Psycho-pass se torna extremamente envolvente por mostrar um futuro que, sim, é possível de ser alcançado. Uma sociedade robotizada e artificial que define suas aptidões e como deve viver sua vida, seus gostos, sua aptidão para viver socialmente, e acaba com as incertezas e tristezas da vida a partir do momento em que traça todos os seus objetivos por você. 

Muitas pessoas se sentem perdidas e deprimidas ao atingirem a vida adulta sem a certeza de sua missão, mas isso jamais aconteceria em uma sociedade regida pelo SYBIL.

Akane é uma protagonista extremamente forte, com a vantagem de nunca ter seu psycho-pass manchado, independente do estresse e da situação que enfrenta. Ao contrário dela, seus colegas milicianos (alguns sendo ex-detetives que se tornaram criminosos latentes devido ao estresse) apenas tentam seguir suas ordens sem se preocupar com os meios usados. Ela devolve o propósito deles de manter a ordem e proteger a lei de uma sociedade que os descartou e cria laços muito importantes, aprendendo cada vez mais sobre o que realmente é o psycho-pass e o sistema que protege.

O anime tem apenas duas temporadas (a terceira está sendo lançada ainda) que estão disponíveis na Netflix. Não possui muitos episódios e a história é maravilhosa! Vale a pena conferir.



Comentários

Popular

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

O Exterminador do Futuro - Destino Sombrio, uma bela repaginada em uma franquia querida

Neste ano vimos o retorno de várias franquias queridas (bem, ao menos queridas para os fãs delas, claro) muitos anos depois do último filme delas, como Rambo, Zumbilândia e Os 3 Infernais, mesmo depois daquele final épico. Então temos agora O Exterminador do Futuro - Destino Sombrio. Porém, enquanto  os outros são continuações diretas, mesmo que muitos anos depois, do último filme lançado, este novo longa  de O Exterminador do Futuro é uma sequência direta de O Exterminador do Futuro 2 - O julgamento final, e veio para provar um de vários fatos que fazem dessa franquia um sucesso: a presença de Linda Hamilton. 
Repaginando a história, o filme já começa com cenas digitalmente refeitas para conectar o segundo da franquia a este. E é simplesmente incrível nessa reconstrução, pois a gente fica se perguntando se eram cenas que não foram para o filme de 1991 afinal, mas com o avanço da tecnologia (ai, ai, ai, rs), não notamos isso até que alguém nos conte a real. 

E temos um trio girl powe…

Mario Kart Tour: o que esperar do clássico para mobile?

Com certeza os amantes de Nintendo já souberam da novidade para celular! A Nintendo, diferente de outras desenvolvedoras, muito dificilmente libera um de seus jogos para outra plataforma. Mas como uma boa mãe sempre olha por seus filhos, ela nos deu esse pequeno presente que é o Mario Kart tour!
Em Mario Kart, Mario e seus amigos disputam emocionantes corridas de Kart em paisagens inspiradas em cenários clássicos da franquia. A versão original possuía apenas karts, mas agora temos também motocicletas e algumas telas necessitam de paraquedas para maior interação. Não é apenas um jogo de corrida, mas intensamente competitivo, com caixas surpresa espalhadas pela tela que te dão itens exclusivos para ganhar vantagem, derrubar os inimigos e destruir amizades. Cada circuito possui quatro telas e a pontuação é somada ao longo delas.


Essa versão desse clássico da Nintendo é um tour pelas telas mais queridas e famosas das outras versões (principalmente os clássicos, como Mario Kart 64 e o novo M…