Pular para o conteúdo principal

Another é uma obra-prima dos animes de terror!


Em outubro de 2009, Yukito Ayatsuji publicava a light novel que seria uma das maiores referências de terror em animes e mangás: Another. Se você já conhece a história, coloque seu guarda-chuva em um lugar seguro e aproveite a leitura, caso contrário, espero que essa crítica te deixe com vontade de ver essa obra-prima de 12 episódios!

“Vinte e seis anos atras, havia uma aluna chamada Misaki Yomiyama na escola Yomiyama Norte, que estudava na sala 3. Uma estudante honorária, também era boa em esportes. Misaki era muito popular entre seus colegas e até os professores tinham afeição por ela. Quando Misaki morre inesperadamente, a classe 3-3 decide continuar agindo como se ela ainda estivesse viva. Contudo, quando a foto da graduação da sala foi tirada, eles viram na foto alguém que não deveria estar lá: Misaki, a estudante ‘extra’.

Ao ser transferido para a Yomiyama Norte, Sakakibara Kouichi não sabe o que esperar de seu primeiro dia de aula na cidade de sua falecida mãe. Internado por causa de um pneumotórax, Sakakibara é visitado pelos três representantes de sua classe, Kazami Tomohiko, Akazawa Izumi e Sakuragi Yukari. Ao interrogar o novato e perceberem que ele não sabe nada sobre sua nova sala (3-3) ou sobre as crenças da pequena cidade em que está agora, acham melhor deixar tudo como está e partem sem mais delongas, deixando Sakakibara desnorteado. Porém, esconder as coisas não ajudou, pois antes de deixar o hospital, Sakakibara vê uma de suas futuras colegas no hospital, uma garota misteriosa, que usa um tapa-olho e o mesmo uniforme que os representantes. Seu nome é Misaki Mei.



Em seu primeiro dia de aula, Sakakibara nota algo muito estranho: apesar de Misaki fazer parte de sua turma e estar na sala com os outros alunos, todos agem como se ela não existisse. Parece que ninguém, exceto ele mesmo, pode vê-la. Quando ele pergunta sobre ela, os alunos não entendem e dizem que nunca houve alguém com esse nome na sala 3-3. Seria parte de sua imaginação, ou seria Misaki um fantasma que apenas Sakakibara podia ver?




Não precisamos de mais de dois minutos para sentir a atmosfera tensa e o enredo aterrorizante de Another. O anime não peca em nos deixar agoniados durante todos os doze episódios, levando algum tempo para entender quem é Misaki Mei e por que apenas Sakakibara pode vê-la. Entre as cut scenes podemos ver bonecas de porcelana que aparecem aleatoriamente, todas com feições macabras e perturbadoras. Além de lidar com o problema de Misaki, os alunos precisarão confrontar verdades aterrorizantes sobre a classe 3-3 e suas regras peculiares.



SPOILERS À FRENTE!

O anime foi eternizado pela cena do guarda-chuva, mas essa está longe de ser a morte mais macabra. O fato de Misaki ser a “aluna extra” e não terem contado isso a Sakakibara é muito perturbador, pois colocou em risco todos os alunos que não falaram para ele sobre as regras e, quando as mortes começam, buscar a solução para esse problema é ainda mais perturbador. A busca dos alunos para descobrir quem é o “extra” entre eles podia ter sido mais bem explorada (não li a novel, mas espero que seja diferente nela). É compreensível o porquê de Misaki, mesmo tendo essa habilidade, não revelar quem era o morto entre eles: era muito difícil acreditar e ela podia criar inimizade com a primeira pessoa que se aproximou dela por isso. Também é difícil perceber que a pessoa na escola e em casa é a mesma (pelo menos foi para mim rs) e esses detalhes que só nos fazem entender o que estava na cara desde o começo no último episódio foi o que tornou esse anime incrível para mim! 

A todos os fãs de terror: assistam a Another! Vocês não vão se arrepender!

Trailer:



Comentários

Popular

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

O Exterminador do Futuro - Destino Sombrio, uma bela repaginada em uma franquia querida

Neste ano vimos o retorno de várias franquias queridas (bem, ao menos queridas para os fãs delas, claro) muitos anos depois do último filme delas, como Rambo, Zumbilândia e Os 3 Infernais, mesmo depois daquele final épico. Então temos agora O Exterminador do Futuro - Destino Sombrio. Porém, enquanto  os outros são continuações diretas, mesmo que muitos anos depois, do último filme lançado, este novo longa  de O Exterminador do Futuro é uma sequência direta de O Exterminador do Futuro 2 - O julgamento final, e veio para provar um de vários fatos que fazem dessa franquia um sucesso: a presença de Linda Hamilton. 
Repaginando a história, o filme já começa com cenas digitalmente refeitas para conectar o segundo da franquia a este. E é simplesmente incrível nessa reconstrução, pois a gente fica se perguntando se eram cenas que não foram para o filme de 1991 afinal, mas com o avanço da tecnologia (ai, ai, ai, rs), não notamos isso até que alguém nos conte a real. 

E temos um trio girl powe…

Mario Kart Tour: o que esperar do clássico para mobile?

Com certeza os amantes de Nintendo já souberam da novidade para celular! A Nintendo, diferente de outras desenvolvedoras, muito dificilmente libera um de seus jogos para outra plataforma. Mas como uma boa mãe sempre olha por seus filhos, ela nos deu esse pequeno presente que é o Mario Kart tour!
Em Mario Kart, Mario e seus amigos disputam emocionantes corridas de Kart em paisagens inspiradas em cenários clássicos da franquia. A versão original possuía apenas karts, mas agora temos também motocicletas e algumas telas necessitam de paraquedas para maior interação. Não é apenas um jogo de corrida, mas intensamente competitivo, com caixas surpresa espalhadas pela tela que te dão itens exclusivos para ganhar vantagem, derrubar os inimigos e destruir amizades. Cada circuito possui quatro telas e a pontuação é somada ao longo delas.


Essa versão desse clássico da Nintendo é um tour pelas telas mais queridas e famosas das outras versões (principalmente os clássicos, como Mario Kart 64 e o novo M…