Pular para o conteúdo principal

Doutor Sono tinha tudo para dar certo, se não fosse tão raso...









"Na infância, Danny Torrance sobreviveu a uma tentativa de homicídio por parte do pai, um escritor perturbado pelos espíritos malignos do Hotel Overlook. Já adulto, traumatizado e alcoólatra. Danny se estabelece em uma pequena cidade, onde consegue um emprego no hospital local. Sua paz, porém, está com os dias contados a partir de quando cria um vínculo telepático com Abra, uma menina com poderes tão fortes quanto aqueles que ele bloqueia dentro de si."

Dirigido por Stanley Kubrick e lançado em 1980, O Iluminado foi um grande sucesso de bilheteria e imediatamente consagrou Jack Nicholson como um dos grandes clássicos do cinema. Apesar de ignorar o roteiro sugerido por Stephen King, Kubrick conseguiu trazer à tona sentimentos profundos descritos no livro, principalmente ligados à grande melancolia e perturbação de Jack Torrance que, buscando inspiração para seu livro, aceitou o trabalho como caseiro no isolado
Hotel Overlook e gradualmente perde a sanidade devido às influências malignas do local.




Após muito sofrimento sobrevivendo ao ocorrido e sendo atormentado pelos espíritos, Danny acaba preso a vícios e a uma vida cheia de traumas que não consegue superar. Sua irresponsabilidade traz mortes e tormento, e ele parece não se importar o suficiente, usando seu dom apenas quando lhe convém para ganhar dinheiro fazendo truques de mágica. É em um desses trabalhos que Danny conhece Abra, uma garotinha com poderes extrassensoriais que acaba sendo a peça-chave da trama.







Após a morte de uma mulher e seu filho (de certo modo, ocasionada pela negligência de Danny), ele decide mudar sua vida. Danny se muda para uma pequena cidade, começa a frequentar reuniões do AA e a trabalhar no hospital local. Convivendo com a morte diariamente, junto de uma gata que sempre parece saber quando alguém está prestes a partir, Danny conforta aqueles que não sabem o que esperar do outro lado e, usando sua iluminação, transmite mensagens de paz. Assim, Danny deixa de ser a ovelha negra para se tornar o Doutor Sono.

O que Danny não sabia é que a pessoa com quem trocou mensagens pela parede de seu quarto durante anos era uma iluminada ainda mais poderosa que ele. Graças a seu poder, Abra descobre uma seita que vem matando iluminados há séculos para se alimentar de seus poderes. Ela e Danny são os únicos capazes de salvar as crianças iluminadas de um destino pior do que a morte...







Doutor Sono é um filme que eu quis ver desde o lançamento e acabei demorando um pouco. Eu não li o livro e não sabia muito sobre a história, mas devo dizer que foi uma grande decepção perceber, durante o próprio filme, que se tratava da continuação de O iluminado. Cenas clichês trazidas por trás de um personagem raso tanto em O iluminado quanto em Doutor Sono, Danny foi extremamente mal interpretado em ambos os filmes. Apesar de o foco ser em sua descida traumática ao fundo do poço depois de tudo o que passou no Hotel Overlook, Ainda não há muita emoção na forma como Danny vive sua história e na perspectiva de mudança que encontra. O sentimento de culpa pela morte da garota com quem saiu e seu bebê é muito mal retratado, parecendo um evento usado apenas para preencher o que seria uma lacuna do filme.

Além disso, é estranho ver como Abra é apenas uma garota extremamente forte, que aprende a usar seus poderes sem grandes dificuldades e, com isso, enfrenta uma comunidade de pessoas centenas de anos mais fortes e experientes que ela. O avô, retratado na seita como alguém que estava lá havia séculos e viu impérios sendo construídos também não possui a imponência exigida por sua posição. Todos os personagens parecem apenas "estar ali", sem objetivo algum e sem profundidade.







Apesar de um enredo incrível e uma grande história, o filme se tornou raso e sem emoção. É decepcionante ver mais um roteiro com uma base tão sólida sendo transformado em um filme de terror clichê do século XXI. Espero que tenham opiniões diferentes e mais felizes sobre esse filme que tinha tudo para dar certo, vindo de um escritor tão talentoso como Stephen King, mas que pecou em todos os aspectos possíveis.

Comentários

Popular

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

O Exterminador do Futuro - Destino Sombrio, uma bela repaginada em uma franquia querida

Neste ano vimos o retorno de várias franquias queridas (bem, ao menos queridas para os fãs delas, claro) muitos anos depois do último filme delas, como Rambo, Zumbilândia e Os 3 Infernais, mesmo depois daquele final épico. Então temos agora O Exterminador do Futuro - Destino Sombrio. Porém, enquanto  os outros são continuações diretas, mesmo que muitos anos depois, do último filme lançado, este novo longa  de O Exterminador do Futuro é uma sequência direta de O Exterminador do Futuro 2 - O julgamento final, e veio para provar um de vários fatos que fazem dessa franquia um sucesso: a presença de Linda Hamilton. 
Repaginando a história, o filme já começa com cenas digitalmente refeitas para conectar o segundo da franquia a este. E é simplesmente incrível nessa reconstrução, pois a gente fica se perguntando se eram cenas que não foram para o filme de 1991 afinal, mas com o avanço da tecnologia (ai, ai, ai, rs), não notamos isso até que alguém nos conte a real. 

E temos um trio girl powe…

Mario Kart Tour: o que esperar do clássico para mobile?

Com certeza os amantes de Nintendo já souberam da novidade para celular! A Nintendo, diferente de outras desenvolvedoras, muito dificilmente libera um de seus jogos para outra plataforma. Mas como uma boa mãe sempre olha por seus filhos, ela nos deu esse pequeno presente que é o Mario Kart tour!
Em Mario Kart, Mario e seus amigos disputam emocionantes corridas de Kart em paisagens inspiradas em cenários clássicos da franquia. A versão original possuía apenas karts, mas agora temos também motocicletas e algumas telas necessitam de paraquedas para maior interação. Não é apenas um jogo de corrida, mas intensamente competitivo, com caixas surpresa espalhadas pela tela que te dão itens exclusivos para ganhar vantagem, derrubar os inimigos e destruir amizades. Cada circuito possui quatro telas e a pontuação é somada ao longo delas.


Essa versão desse clássico da Nintendo é um tour pelas telas mais queridas e famosas das outras versões (principalmente os clássicos, como Mario Kart 64 e o novo M…