Pular para o conteúdo principal

Review - Riverdale 4x13 - Cuidado com os idos de março! e a psicologia do detetive


Essa quarta temporada de Riverdale, embora muitas coisas absurdas ainda aconteçam, está mais focada em um mistério que está sendo jogado como pedacinhos de pão para crianças perdidas em contos de fadas, ou de bruxas, para nós, telespectadores, desde a season finale da impossivelmente absurda, ainda que adorável de um jeito bem Riverdale de ser, totalmente com seu jeitinho misto de série de mistério teen com novela mexicana que fez da série, pelo que vi não só apra mim, mas para muitos fãs, um guilty pleasure que às vezes até vem com mais sabor de culpa do que de prazer, mas que, enfim, tem seus méritos. Como fazer com que não consigamos parar de vê-la!

Neste episódio 13, que foi ao ar hoje, 13 de fevereiro, temos algo ominoso já no título e, coincidência ou não, no número do episódio e na data em que foi exibido. 

Ides of March e sua origem

Mas afinal, o que significa “the Ides of March”? 

Atualmente, o dia 15 de março é considerado ides of March, visto que ides quer dizer “meio do mês”. Ides vem do latim idus, e significa  “meia divisão”. Ides é uma palavra que foi muito usada no calendário romano e hoje se aplica exclusivamente ao dia 15 de março. Mas qual a importância do dia 15 de março é tão importante?

Antigamente, este era o primeiro dia do ano novo romano, além de marcar também o primeiro dia da primavera no calendário romano. No entanto, sua maior importância histórica está relacionada ao fato de que foi neste dia que o emperador Julio César foi avisado pelos adivinhos para “ter cuidado com a metade de março”. Julio César não deu ouvidos ao aviso e foi esfaqueado por Marcus Brutus e outros homens no dia 15 de março de 44 AC, e morreu.

Veja a parte do aviso sobre o dia 15 de março na obra de Shakespeare.

Caesar:
Quem dentre a multidão disse meu nome?
Ouvi uma voz, mais alta do que a música, bradar por César. Fala; César se acha disposto para ouvir-te.

Adivinho:
Tem cui­da­do com os idos de março! [Beware the ides of March.]

Caesar:
Que homem é esse?

Brutus:
Um adivinho; manda acautelardes-vos com os idos de março.
- De: Julius Caesar -  Ato 1, Cena 2




A psicologia do detetive e a metalinguagem

O que então seria isso da psicologia do detetive, e o que a metalinguagem tem a ver com a história? Bem, Jughead está criando histórias fictícias com base em coisas de sua própria vida e da cidade de Riverdale, ele está estudando literatura, volta e meia se faz menção a histórias de detetives e ele e sua amada, Betty, são praticamente detetives adolescentes. Sendo assim, nos são jogadas, como falei acima, pistas aqui e ali, além dos flashes sobre a suposta morte de Jughead, que neste episódio ficou mesmo parecendo ter sido causada por sua namorada, Betty. Mas quem vê Riverdale desde o primeiro episódio sabe que nessa cidade e nessa série nem tudo é o que parece - na verdade, quase nada é o que parece, e ninguém ali é desprovido de um ou muitos mais segredos. 

Sendo assim, devemos seguir a psicologia do detetive e tentar juntar todas as peças do quebra-cabeças lançadas para nós até agora ou simplesmente nos entregar a quaisquer loucuras, ainda que interessantes, que os roteiristas da série nos lançarem? 

Envoltos em uma rede de obscuridades e mentiras, os alunos e professores da Stonewall Prep parecem todos suspeitos demais, mas seria isso apenas mais uma distração para um mal ainda maior? E estaria Jughead realmente morto? Uma das primeiras teorias era de que Jughead estava forjando a própria morte justamente por causa do livro que estaria escrevendo. E agora? Eu jogo todas as teorias para os ares e vou esperar para ver como eles me surpreendem dessa vez. 

De resto, as histórias paralelas foram meio mornas, e embora nos quadrinhos seja Archie e seus amigos, a história de Archie é a que está cada vez mais sem sal, com ele se alternando entre músico, boxeador, fugitivo, trainee de mafioso, justiceiro e todas as coisas absurdas que ele já tentou fazer em seus tão poucos anos de vida. Gostei de finalmente Verônica, Toni e Cherry não caírem na cilada óbvia da meia-irmã da V, mas confesso que senti um pouco de falta de mais lances interessantes acontecendo com os adultos na série nesse episódio. 


Jughead - ou Jarhead haha - já se tornou o personagem principal da série faz tempo, isso se não tiver sido desde o começo, já que é exatamente ele, o escritor, que começa a narrar a história que acabará virando (ou não) um dos livros dos irmãos Baxter: a história do menino no rio. E então tudo começa a se conectar e as engrenagens parecem entrar nos eixos, não? Mas será que eles terão mesmo coragem de matar o possível protagonista de Riverdale? 


É para se pensar até o próximo episódio, que pode jogar toda e qualquer teoria pelos ares, pois, afinal, como diria Sabrina em sua própria série, O mundo sombrio de Sabrina: "Riverdale é um lugar grande e perigoso." E nem é por causa de males sobrenaturais, Sabrina, não é mais sinistro isso?

E fiquem com a promo do próximo episódio, que irá ao ar daqui a duas semanas:



Comentários

Popular

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

O Exterminador do Futuro - Destino Sombrio, uma bela repaginada em uma franquia querida

Neste ano vimos o retorno de várias franquias queridas (bem, ao menos queridas para os fãs delas, claro) muitos anos depois do último filme delas, como Rambo, Zumbilândia e Os 3 Infernais, mesmo depois daquele final épico. Então temos agora O Exterminador do Futuro - Destino Sombrio. Porém, enquanto  os outros são continuações diretas, mesmo que muitos anos depois, do último filme lançado, este novo longa  de O Exterminador do Futuro é uma sequência direta de O Exterminador do Futuro 2 - O julgamento final, e veio para provar um de vários fatos que fazem dessa franquia um sucesso: a presença de Linda Hamilton. 
Repaginando a história, o filme já começa com cenas digitalmente refeitas para conectar o segundo da franquia a este. E é simplesmente incrível nessa reconstrução, pois a gente fica se perguntando se eram cenas que não foram para o filme de 1991 afinal, mas com o avanço da tecnologia (ai, ai, ai, rs), não notamos isso até que alguém nos conte a real. 

E temos um trio girl powe…

Mario Kart Tour: o que esperar do clássico para mobile?

Com certeza os amantes de Nintendo já souberam da novidade para celular! A Nintendo, diferente de outras desenvolvedoras, muito dificilmente libera um de seus jogos para outra plataforma. Mas como uma boa mãe sempre olha por seus filhos, ela nos deu esse pequeno presente que é o Mario Kart tour!
Em Mario Kart, Mario e seus amigos disputam emocionantes corridas de Kart em paisagens inspiradas em cenários clássicos da franquia. A versão original possuía apenas karts, mas agora temos também motocicletas e algumas telas necessitam de paraquedas para maior interação. Não é apenas um jogo de corrida, mas intensamente competitivo, com caixas surpresa espalhadas pela tela que te dão itens exclusivos para ganhar vantagem, derrubar os inimigos e destruir amizades. Cada circuito possui quatro telas e a pontuação é somada ao longo delas.


Essa versão desse clássico da Nintendo é um tour pelas telas mais queridas e famosas das outras versões (principalmente os clássicos, como Mario Kart 64 e o novo M…