#momentotelecine A morte te dá parabéns 2 – uma sequência sem comemorações






Após ficar presa em um loop infernal repetindo o dia de sua morte, Tree Gelbman se vê novamente em um de seus piores pesadelos nessa sequência que tinha muito a oferecer seguindo a inovação do primeiro filme, mas que acabou sendo um aniversário bem decepcionante.
Depois de uma noite fora para dar privacidade a Carter e Tree, Ryan acorda em seu carro lotado de restos de embalagens de comida e segue acontecimentos que lhe dão uma incrível sensação de déjà vu até chegar em seu dormitório... um déjà vu vívido até demais. Ryan sabe que seu dia está se repetindo e não sabe o que fazer até entrar no quarto e encontrar Tree, que teria algo semelhante a lhe dizer.



Ao tentar ajudar Ryan, Tree descobre que seu pesadelo não foi aleatório, mas sim devido a um experimento que Ryan e seus amigos estavam fazendo no campus ao criar uma nova máquina. Há outro assassino à solta e talvez, dessa vez, talvez morrer não seja o suficiente.



Loops temporais sempre renderam ótimos filmes, mas podemos dizer que são raridade quando o gênero é terror e suspense. O primeiro filme conseguiu juntar esse suspense à comédia de saber tudo o que acontece em um dia e a possibilidade de criar situações inusitadas. Já que Tree passaria por tudo aquilo de novo até sua morte, ela faria o que quisesse sem consequências. O mesmo não acontece no segundo filme, o que é bom para evitar repetições, mas ao mesmo tempo criou uma sensação de monotonia.



Tree se vê em realidades alternativas e encontra dificuldade para se desvencilhar delas e voltar para sua própria. Ela perde um ente querido para ganhar outro e é uma escolha complicada, como escolher passar o resto da vida em um sonho feliz ou voltar para o mundo real, onde as coisas são mais difíceis, mas verdadeiras.


Ao contrário do que acontece em “De volta para o futuro”, onde as linhas do tempo divergentes tornam a história emocionante, em “A morte te dá parabéns” vemos um cenário cansativo e repetitivo em diversos aspectos. Acredito que o filme tenha pecado muito em sua protagonista, sem muita profundidade emocional ou carisma, o que faz com que as repetições se tornem maçantes. Um bom filme para passar o tempo, mas se você procura uma trama envolvente, não é a pedida.



Enfim, se você como eu gosta de se atualizar no tema e ver o que o cinema americano tem a oferecer, pelo menos vai se entreter com algo que não seja um remake ou repetição de tema, mas caso precise de uma boa história e um filme para falar por semanas, esse com certeza não é seu estilo!


Comentários