Espírito perdido: mais um destaque brasileiro no universo da fantasia!


No final de 2019, tive o prazer de receber para leitura o livro “Espírito perdido”, do escritor brasileiro P.J. Maia. É sempre maravilhoso ver novas obras brasileiras tão bem trabalhadas. Em um país onde leitura (infelizmente) não está enraizada em nossa cultura, ver tanto empenho para criar obras de entretenimento é sempre incrível. Para quem não lembra do post ou é novo aqui no blog, segue a sinopse do livro:

Keana é uma refugiada criada numa terra estranha, há muito tempo. No reino fugaz de Divagar, deuses e deusas desfrutam de luxo e da vida eterna às custas dos humanos comuns. Não conhecem fome, perigo ou morte, trancafiados num paraíso ensolarado. Se Keana conseguir descobrir sua origem proibida, os deuses talvez precisem fazer sacrifícios para proteger seus privilégios eternos. Mesmo que o sacrifício seja a vida dela.



O livro de P.J. Maia é escrito em tom de fantasia científica. Mesmo se passando em uma era remota, quando deuses ainda habitavam a terra junto aos regulares (humanos pré-históricos), há muita tecnologia por parte das divindades.

Em meio a uma expedição, Estela chega ao acampamento do Capitão Viajante Edmar Milfort com um misterioso bebê em seus braços. Apesar de todo o cuidado para encontrar a lendária cidadela no meio da inexplorada savana, o inimigo acaba encontrando Estela e a expedição bate em retirada. O bebê é deixado aos cuidados do Capitão, que passa por muitas provações para mantê-lo em segurança. Apesar de condições inexplicáveis para a sobrevivência de uma garotinha tão jovem, A mais nova protegida do Capitão Milfort sobrevive ao seu lado e será sua querida filha e a heroína desse livro.

“Esse livro é para aqueles que nunca deixam
De sonhar em ver tudo o que há.
Para meus queridos pais, por sempre
Empurrarem os filhos para o mundo aberto
E por cada recepção afetuosa de volta à casa.”




A partir de certo ponto, a história me prendeu de um modo que foi fácil continuar a leitura. É incrível pensar em nosso planeta nas eras remotas, quando todos os mitos começaram e os humanos explicavam os fenômenos da natureza como divindades. Os raios, a chuva, o frio, a mudança de temperatura, tudo isso dependia de alguma divindade e de seus estados de humor ou amor pela humanidade. A falta de conhecimento das primeiras eras nos aproximava das divindades e do amor por nosso planeta, e esse livro explora como os deuses preservavam suas vidas eternas em uma cidade onde a morte não existia. Essas divindades recebiam seus incríveis poderes de uma pedra azul, um misterioso asteroide que atingira a terra e era a fonte de poder desconhecida dos divinos.

O ponto de partida de nossa história se dá quando Keana, apesar de receber o nome e a familiaridade dos Milfort, não recebe um convite para a Lúmen Academia. Essa escola ensina os divinos a usarem seus poderes sobrenaturais na juventude, onde pouco sabem sobre sua herança que ainda não se manifesta completamente.

Keana sempre soube que era diferente: sua cor de pele, seus cabelos e seus olhos não mentiam para ela. Mas por que ela não teria um direito básico de todos os que viviam na sociedade divina?

Em sua busca pela continuação da herança divina da família Milfort e de sua própria ascensão, Keana começa uma jornada incansável para fugir de seu destino regular e consegue muitos inimigos indo contra o sistema. Ela não sabe ao certo por que é diferente, mas sabe qual é seu objetivo e não se importa com o preço a pagar por suas convicções.

Keana é uma protagonista forte e com uma personalidade incrível. Ela busca o que acha certo mesmo indo contra todas as probabilidades, e isso torna sua jornada emocionante. É muito difícil falar sobre esse livro sem dar nenhum spoiler, mas posso dizer que estou ansiosa para ver o que mais P.J. Maia trará em sua série “finita eternidade” e em como a história dos primórdios da humanidade se desenvolverá!

Além de relembrar informações sobre o emocionante universo de “Espírito perdido”, ficamos muito felizes em ver um autor nacional contemporâneo mostrando presença internacional com importantes prêmios! O livro recebeu, recentemente, o prêmio de “Melhor livro de fantasia” da Independent press award em Nova York e o prêmio Red ribbon de Escolha dos leitores no Wishing shelf awards, premiação sediada em Londres voltada para o público juvenil do Reino Unido e Suécia.



Para mais informações, sigam: @eternitydeparts @a_blinkin @m2.comunicacao @cadeoleofrancisco

Link para incentivar Keana a contar sua história <3

Aproveitem essa quarentena para explorar Divagar e se emocionar com a persistência e luta de seus personagens!



Comentários