Hellboy (2019), afinal, esse remake é bom ou não?


Depois de Guilhermo Del Toro, o diretor Neil Marshall (Abismo do Medo) nos traz novamente a história do semi-demônio Hellboy em uma nova abordagem e estilo, mas que infelizmente nos dá um filme desastroso e difícil de assistir.

O diretor faz questão de nos apresentar uma nova informação a cada cena exibida, sem um breve período para que o público possa dissolver e raciocinar sobre o que foi apresentado anteriormente, junto com o roteiro expositivo que, em vários momentos, explica a situação nos mínimos detalhes, como se o público em geral não tivesse a capacidade de entender o que acontece na cena sem que o diretor jogasse na nossa cara todas as respostas de imediato.

Resultado de imagem para hellboy

São diversas as vezes em que o roteiro apresenta a mesma informação, repetidamente, durante o filme, e às vezes na mesma cena, como ao apresentar o lugar e o ano em que se passa em uma narrativa em off, e 10 segundos depois aparece em tela o nome do lugar e o ano em letras estampadas na cena, reforçando, sem necessidade, essa informação simples.

Durante a história, o diretor aborda o passado dos personagens com o uso de flashbacks que são introduzidos do nada, de forma artificial e incoerente com a narrativa. Ao apresentar um personagem que acabou de ser introduzido, a história começa a contar fatos do passado de repente, só para explicar a origem de algum personagem, e muitos desses flashbacks quase não apresentam nenhuma informação crucial para o desenvolvimento da trama.

Resultado de imagem para hellboy

Ponto forte: A maquiagem, principalmente a de Hellboy, impressiona, rica em detalhes e nas imperfeições que deixam mais realistas.

O CGI do filme se equilibra entre o razoável e o desleixado, a ponto de ficar visível de que se trata de um boneco digital interagindo com criaturas geradas por computador. Mesmo com os efeitos visuais fracos, o design das criaturas místicas e demoníacas são bons, ao dar a elas um visual perturbador que foge totalmente da fisionomia humana e que causam medo no público, junto com o terror que essas criaturas provocam no filme.

A montagem também ajuda a deixar o filme mais expositivo quando um personagem fala em uma determinada cena um traço da personalidade de Hellboy, e logo em seguida a edição corta para outra cena em que Hellboy faz exatamente algo que condiz ao traço que foi dito por esse personagem na cena anterior.

Resultado de imagem para hellboy ian mcshane

A direção de atores é bem limitada, resumindo os personagem a uma só característica de sua personalidade, como o personagem de Ian McShane, que interpreta o pai de Hellboy, e que incentiva o filho a fugir de seu destino, a personagem de Sasha Lane que só está no filme para ajudar Hellboy, mas quase não tem presença ao cumprir essa função, o que torna a personagem desnecessária. Milla Jovovich interpreta uma vilã genérica e inexpressiva, fazendo somente uma cara de má forçada e caricata, forçando também sua voz para “destacar sua maldade”.

Resultado de imagem para hellboy milla jovovich

Mesmo com pouco conteúdo e a má condução da direção, David Harbour se empenha bastante ao interpretar Hellboy, nota-se o esforço do ator e o ânimo ao dar vida ao personagem, mas o roteiro o transforma em um personagem bobo com diálogos e frases de efeito ridículas. Embora Hellboy tenha mais do que um traço em sua personalidade, o diretor não consegue desenvolver o personagem ao misturar seus traços dominantes, ou ele é desnecessariamente engraçado, fazendo piadas sem graça, ou ele é puro ódio.

Hellboy é um filme expositivo, mal conduzido, e que mesmo com monstros e criaturas que chega a assustar, e muito inferior à versão dirigida por Del Toro.

(Se tiver coragem, tem duas cenas pós créditos)

NOTA: 3 demônios sobre a Terra e meio. (3,5 de 10)

Trailer:







Comentários

Postagens mais visitadas