Netflix anuncia nova série em mandarim, “A NOIVA FANTASMA”



“Certa noite, meu pai me perguntou se eu gostaria de me tornar uma noiva fantasma...”
A nova série original da Netflix “A Noiva Fantasma”, dirigida pelos premiados diretores malaios Quek Shio-Chuan e Ho Yu-Hang, foi produzida na Malásia e conta com uma equipe internacional de roteiristas de Hollywood, Malásia e Taiwan, liderados pela escritora de TV americana-taiwaneesa Kai Yu Wu, conhecida por seu trabalho em sucessos como Hannibal e The Flash.
 
            A produção é uma adaptação de um best-seller homônimo do New York Times, escrito pela malasiana Yangsze Choo e lançado no Brasil, em uma edição belíssima, pela Editora Darkside Books. A série adota uma abordagem de produção refrescante.



            A trama se passa em uma colônia da década de 1890, onde a protagonista, Li Lan, uma jovem educada e culta, recebe uma proposta capaz de mudar sua vida para sempre: casar-se com o herdeiro de uma família rica e poderosa. Há apenas um detalhe: seu noivo está morto. A oferta parece irrecusável, já que ajudaria sua família fugir da falência, mas para isso ela passará o resto da vida sendo assombrada pelo filho da família Lin. Desesperada para se livrar desse arranjo medonho, ela logo se vê envolvida em um misterioso assassinato e manifestações sobrenaturais.
Por mais fantásticas que pareçam, as noivas fantasmas ainda resistem até hoje em parte da cultura asiática. A prática, que chegou a ser banida por Mao Tsé-Tung durante a Revolução Cultural, foi muito frequente na China e na Malaia (hoje Malásia) no final do século XIX. O casamento era usado para tranquilizar um espírito inquieto, e garantir um lar e estabilidade para as mulheres que diziam "sim" a maridos já falecidos. É claro que elas tinham um preço alto a pagar, e com Li Lan não seria diferente. Um exemplo daqueles casos que ficam sob a desculpa do ser cultural e tradicional e que acaba sendo extremamente prejudicial às mulheres, assim como várias práticas na África, como mutilação de genitais femininos e outros horrores.

Bônus: Leiam aqui sobre a tortura “tradicional” das moças chinesas para terem pés considerados adequados e belos. Essa prática só foi banida no século XX. =/   

Comentários