#onNetflix Train to Busan (Invasão Zumbi) é muito mais do que um "simples" filme de zumbis...



Eu confesso que o título em português, Invasão Zumbi, me afastou de Train to Busan por um bom tempo. Não me entendam mal, costumo gostar de filmes sobre zumbis, mas tem uns tão ruins, tão péssimos, que chegou uma hora em que pensei: já deu. Filmes de terror de modo geral, e de zumbis especificamente, são ótimos para críticas sociais, mas alguns são apenas filmes ruins e ponto final. 

O meu filme predileto de zumbis, que ainda indico, quando o Zack Snyder ainda não fazia coisas horrendas como Sucker Punch e várias bombas da DC, e com roteiro de ninguém mais ninguém menos do que James Gunn, costumava ser Madrugada dos Mortos, de 2004, sim, o remake, que está disponível lá no Telecine. o filme ainda é atual e ótimo. Mas Train to Busan, do sul-coreano Sang-Ho Yeon, está agora no primeiro lugar da minha lista de filmes de zumbis. Mas vai muito mais além.

Eu ainda indico, sim, Madrugada dos Mortos (2004), mas Train to Busan já conquistou o primeiro lugar para mim em termos de filmes "de zumbis".

Acabei assistindo a esse filme por ter sido recomendado em alguma lista para quem amou Parasita, e depois que Bong Joon-Ho me fez recordar do quanto adoro as tomadas sobre temáticas intensas de filmes sul-coreanos. E não só não me arrependi, como amei o filme. Só não digo que é perfeito, pois perfeição inexiste. Mas é um filme perfeito dentro desse quadro de não-perfeição. Paradoxal, eu sei. E é lindo. Tanto esteticamente quanto em termos de mensagens. 



Mas Ana, como um filme sobre zumbis pode ser lindo? Porque Train to Busan é muito mais do que um filme de zumbis. Fala de grandes corporações, de como pessoas podem ser peças do sistema e realmente não serem "culpadas" por grandes cagadas corporativas, e como é fácil para quem está de fora (no caso, nós que estamos assistindo ao filme) julgar aqueles personagens. Que não são rasos. Há um desenvolvimento de personagens incrível em pouco menos de duas horas de filme. Não é só uma questão de sobrevivência. É uma questão de Humanidade. O que é ser humano? O que é agir de forma decente em meio a uma catástrofe?


E a arte imitando a vida e/ou a vida imitando a arte: a Busan do nome é a única cidade "livre" dos zumbis infectados por um vírus porque tomaram as medidas de precaução e contenção e sanitárias e de isolamento antecipadamente com a epidemia. E imaginem só estar em um trem em movimento e ter que sobreviver aos zumbis nesse confinamento? Train to Busan é um filme sobre família, valores, ser humano, decência, qualidade de vida e muito mais. É um filme de 2016, e, pelo que pesquisei, o segundo está em pós-produção, e não sabemos quando estreará, devido à pandemia que estamos vivendo no mundo fora das telas do cinema. 



É de fazer sentir ódio, tristeza, felicidade, sim, pois há seres humanos muito decentes no filme, e, se você é daqueles que choram, ah, vai chorar... mas não só de tristeza, pois o final é, obviamente, agridoce, como já falei antes sobre O Hospedeiro, mais acre do que doce, talvez, mas é lindo. Tocante. Belo. 

Nota: 5 abraços de pai para filha, que valem muito mais do que um presente caro... e repetido. (5/5)

Trailer:


Comentários