The Ashen one: os cinco melhores chefes de Dark Souls III


           



           O quarto jogo da série “souls” lançado em 2016 continua como um dos melhores RPGs atuais!
           
           Na Era dos Anciões, o mundo era disforme e envolto em névoa, governado pelos Dragões Imortais. Com o nascimento da Primeira Chama, quatro seres desse mundo ganharam poderes. A primeira chama trouxe uma nova Era, mas também mostrou que existem desigualdades nesse mundo. Assim sendo, os novos seres que descenderam dessa chama precisam lutar para que ela não se apague e sua vida não se extinga.

Tendo como marcas registradas a história rica e detalhada e a jogabilidade apurada, sua jornada como “Ashen one” não deixaria de trazer alguns dos chefes mais difíceis e bem construídos de todos os tempos. Hoje, trago para vocês os cinco melhores chefes de Dark Souls III (de acordo comigo, né).

5. Soul of cinder

Soul of cinder é o último boss de DS III. Ele é a manifestação de todas as pessoas que ligaram a chama. Ele protege a chama e é a última linha de defesa contra o Ashen one. A movimentação desse boss imita a movimentação de todos os que ligaram a chama e, em sua segunda fase, as do Lord Gwyn (o primeiro lorde das cinzas). O que torna o Soul of Cinder único é que, diferente da maioria dos chefes do jogo é que ele não tem um padrão específico de movimentos e muda rapidamente o padrão seguido. O tipo de dano infligido também varia e é muito difícil prever o que ele fará. Pela dificuldade e diversão em enfrentá-lo, ele está nessa lista!



4. Slave Knight Gael

Gael faz parte da DLC Ringed city e é considerado por alguns o último chefe da série Dark Souls. O cavaleiro escravizado é uma aberração criada por consumir a Dark Soul. Não se sabe em que guerras ele lutou. Ele é o missionário da pintora que desejava o sangue da dark soul para sua tela. Essa busca fez com que Gael perdesse sua sanidade e parte de sua humanidade. Ao morrer, ele derrama o sangue que dará à pintora a chance de pintar um novo mundo. Gael possui uma grande variedade de ataques, mas é mais padronizado que Soul of Cinder. Esteticamente falando, é um dos chefes com os ataques mais bonitos do jogo e sua lore é uma das mais tristes.




3. Nameless King

Passei muito tempo vendo meus amigos lutarem contra esse boss e a contagem de mortes e tentativas era sempre muito alta. Quando invocado, ele vem como “King of storms”, montado em seu Wyvern. Após derrotarmos o dragão, enfrentamos o então “Nameless king”. Ele é, possivelmente, o primeiro filho de Gwyn, banido por se aliar aos dragões. Enfrentar o dragão e ainda precisar lutar contra o rei melee que depois começa a atirar raios em você é bem difícil! Tanto a dificuldade quanto o dano infligido tornam esse um dos melhores e mais difíceis chefes de Dark Souls III.




2. Dancer of the boreal valley

Uma das filhas da família real de Irithyll que foi forçada por Sulyvahn a se tornar uma dançarina e legionária (o que é igual ao exílio) e recebeu armas similares às dele. Ela evoluiu para uma lutadora bestial cuja armadura se “fundiu” à sua pele. Para mim, a dançarina merece segundo lugar por sua movimentação e dificuldade. Está longe de ser o chefe mais difícil desse jogo, mas sua movimentação e apresentação são incríveis e, por isso, ganhou o segundo lugar dessa lista.




    1.      Darkeater Midir

    Criado pelos deuses, Midir recebeu em troca de sua imortalidade o dever de lutar contra as trevas (dever que não esqueceu nem após a morte dos deuses). SEM DÚVIDA A CRIATURA MAIS LINDA DESSE JOGO! A música de introdução, o ambiente, a movimentação de luta, a dificuldade e o visual. Midir é um boss incrível e muito bem ambientado (além de ser bem difícil de vencer). Meu boss preferido de Dark Souls, sem dúvida!




Se você quer ver boas lutas e músicas épicas, esse é o jogo para você!
E aí, qual seu boss favorito de Dark Souls III?

Referências:

Comentários