Trilogia: The Grudge: O grito - Além do sobrenatural, uma mensagem importante (embora óbvia): feminicídio - machismo pode matar

Abordarei aqui um foco que foge um pouco de tudo que já escrevi aqui sobre os yurei e tal. A história de Kayako é um retrato do machismo desgostoso em que simplesmente o macho não aceita que a esposa não gosta mais dele e a mata. No caso da Kayako, o maarido ainda mata o gato, o próprio filho e se mata. É feminicídio total. É tão realista que, se tirarmos um pouco o elemento sobrenatural do jogo, as cenas estilo documentário antigo à la filmes dos Warren parecem tão chocante reais, afinal, quantas notícias como essas passam na TV aberta todos os dias? (Eu não vejo esses programas, mas vivo na Terra 1, onde programas como esse fazem sucesso e têm muito público, por sinal. E muitos culpam a mulher...) Kayako, o pobre animal de estimação e o filho foram vítimas de machismo, e a criança, bem, precisamos falar sobre os maus tratos? Ou isso não ficou claro pra quem já viu pelo menos uma instância dessa longa série multimídia? 


Houve uma época em que era bem aceito... espera, volta a fita... houve? Ainda há culturas em que mulheres são apedrejadas por traição etc. (conferir detalhes) e outros absurdos do gênero. O marido atacava a esposa e a matava "para defender sua honra". E essa? O decreto-lei 3.199, de 14 de abril de 1941, dizia: “Às mulheres não se permitirá a prática de desportos incompatíveis com as condições de sua natureza, devendo, para este efeito, o Conselho Nacional de Desportos baixar as necessárias instruções às entidades desportivas do país”. 

 


E só mesmo quem vive em uma terra alternativa e utópica para ignorar todos os horrores perpetrados com as mulheres em nosso próprio país.. Ou são agressores. Os que ajudam, mesmo que com palavras em vez de pedras, a perpetrar os horrores cometidos contra nós, mulheres! E não vou pedir desculpas por essa afirmação, pois é o que penso: achar feminismo desnecessário e mimimi e ignorar feminicídio e outros problemas ligados às diferenças de gênero na sociedade é, no mínimo um imbecil! 

Baka!!!
ばか

Voltemos um pouco ao(s) filme(s)...

Especialmente no final do primeiro filme e no começo do segundo (aqui me refiro à versão estadunidense), isso vem com um choque tão grande, mesmo para mim, que já vi e revi, e nos lembra do quão necessário se faz sim falar sobre esses assuntos. Incessantemente. 

Sim, o texto é curto. Nem sempre uma flecha precisa  ser muito longa para acertar o alvo.

Comentários

Postagens mais visitadas